quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Ali ternina tudo


Ali termina tudo
e não termina:
ali começa tudo
se despedem os rios no gelo,
o ar se há casado com a neve,
não há ruas nem cavalos
e o único edifício
o construiu a pedra.
Ninguém habita o castelo
nem as almas perdidas
que frio e vento frio
amedrontaram:
é sozinha ali a solidão do mundo,
e por isso a pedra
se fez música,
elevou suas delgadas estaturas,
se levantou para gritar ou cantar,
porém ficou muda.
Só o vento,
o açoite
do Pólo Sul que assobia,
só o vazio branco
e um som de pássaro de chuva
sobre o castelo da solidão.

"Pablo Neruda"

1 comentário:

Orvalho do Céu disse...

Olá, querida
Um castelo desabitado é triste demais... Com certeza o coração deve estar povoado de amor então não estamos sós!!!
Bjm de paz e alegria