segunda-feira, 28 de março de 2011

O poeta


O poeta é um fingidor.

Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.


E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

"Fernando Pessoa"

domingo, 27 de março de 2011

Ciência

 
Querem que vos ensine o modo de chegar à ciência verdadeira? Aquilo que se sabe, saber que se sabe; aquilo que não se sabe, saber que não se sabe; na verdade é este o saber.

"Confúcio

sábado, 19 de março de 2011

"O peso do Amor"


O meu amor me pesa.
Toneladas de mim
abraçam a camélia
do secreto jardim.

O meu amor me leva
através das galáxias
por céus de luz e trevas
fundidas em falácias.


O meu amor é leve:
um fio de cabelo
pousado no universo.


O meu amor é breve:
o apelo de um pêlo
que se transforma em verso.

"Lêdo Ivo"

sábado, 12 de março de 2011

Hoje de manhã saí muito cedo



Hoje de manhã saí muito cedo,

Por ter acordado ainda mais cedo
E não ter nada que quisesse fazer...


Não sabia que caminho tomar
Mas o vento soprava forte, varria para um lado,
E segui o caminho para onde o vento me soprava nas costas.


Assim tem sido sempre a minha vida, e
Assim quero que possa ser sempre --
Vou onde o vento me leva e não me
Sinto pensar.

"Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)"