terça-feira, 22 de dezembro de 2009

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Mar



Mar, metade da minha alma é feita de maresia
Pois é pela mesma inquietação e nostalgia,
Que há no vasto clamor da maré cheia,
Que nunca nenhum bem me satisfez.
E é porque as tuas ondas desfeitas pela areia
Mais fortes se levantam outra vez,
Que após cada queda caminho para a vida,
Por uma nova ilusão entontecida.

E se vou dizendo aos astros o meu mal
É porque também tu revoltado e teatral
Fazes soar a tua dor pelas alturas.
E se antes de tudo odeio e fujo
O que é impuro, profano e sujo,
É só porque as tuas ondas são puras. 



"Sophia de Mello Breyner Andersen" 

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Minas do Lousal






Integrada na Faixa Piritosa Ibérica, que, com cerca de 250 km de extensão e uma largura que chega a atingir os 40 km, tem início no vale do Sado e prolonga-se até ao vale de Guadalquivir, próximo de Sevilha (Espanha), a mina do Lousal (situada na freguesia de Azinheira dos Barros, concelho de Grândola, distrito de Setúbal) foi explorada entre 1900 e 1988, data em que foi dada como encerrada a sua actividade extractiva.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Outono


Outono vem em vulvas claridades...
Vamos os dois esp'rá-los de mãos dadas:

Tu, desfolhando as rosas das estradas,

E eu, escutando o choro das saudades...

Outono vem em doces suavidades...
E a acender fogueiras apagadas

Andam almas no céu ajoelhadas...

E a terra reza a prece das Trindades.


Choram no bosque os musgos e os fetos.

Vogam nos lagos pálidos e quietos,

Com gôndolas d' oiro, as borboletas.


Meu amor! Meu amor! Outono vem...

Beija os meus olhos roxos, beija-os bem!
Desfolha essas primeiras violetas!...


"Florbela Espanca"